O uso medicinal da cannabis para tratar a dor crônica

A dor crônica de um paciente é um dos maiores desafios terapêuticos, e afeta mais de 15% da população, incluindo as pacientes com endometriose.


As terapias existentes são baseadas no uso de analgésicos, ou opióides. Esses medicamentos possuem vários efeitos adversos, além de estarem associados com casos de overdose por não suprirem a dor.


Nesse contexto doloroso, a cannabis medicinal ganhou destaque e força. Evidências científicas de estudos clínicos conduzidos mostram os efeitos benéficos da cannabis medicinal.


Dois compostos presentes na cannabis medicinal, delta-9-tetrahydrocannaninol e cannabinoides, reduzem a dor neuropática em diversas condições. Também há relatos de melhora do quadro de dor quando a cannabis é associada com os tratamentos já existentes.


Como a cannabis medicinal pode ajudar no quadro de dor?

As evidências


A Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina analisou as evidências dos efeitos benéficos da cannabis e dos cannabinoides. Nessa análise, verificou-se evidências substanciais de que a cannabis é efetiva no tratamento da dor crônica. Essas conclusões são suportadas por diversas revisões sistemáticas, meta-análises e estudos clínicos randomizados.


Mecanismo de ação


A cannabis possui dois componentes principais: delta-9-tetrahydrocannabinol (THC) e cannabidiol (CDB).


O THC é capaz de ativar os receptores de canabioides do tipo 1 e 2 (receptores CB1 e CB2). Já o CDB reduz os efeitos psicotrópicos do THC e potencializa outros efeitos, como efeito analgésico.


O receptor CB1 é expresso no sistema nervoso central e periférico, enquanto que o receptor CB2 são expressos nas células do sistema imune.


Como resultado, a cannabis atua via THC em ações neuronais. São essas as ações que são responsáveis pelos efeitos analgésicos.

E qual a relação com a endometriose?


A endometriose é uma doença implacável que está associada com diversos sintomas, incluindo dor crônica na região pélvica, fadiga, desmnorréia, dor durante o sexo, dor nos movimentos intestinais e dor ao urinar.


Além desses sintomas, as pacientes também sofrem com ansiedade e depressão, síndrome do intestino irritável e fadiga crônica. Todos esses sintomas impactam a qualidade de vida.


Recentes estudos vêm demonstrando que a disfunção do sistema endocanabinoide (ECS) também está presente em pacientes com endometriose, e os sintomas de dor podem estar relacionados com a modulação do ECS.


Cada vez mais evidências sugerem que o CDB pode trazer muitos benefícios para mulheres com endometriose. A inflamação relacionada com a dor pode ser tratada com as propriedades anti-inflamatórias do CDB.


Ainda há poucos estudos sobre os efeitos do CDB na terapia da endometriose. Mas hoje já possuímos muitas evidências que suportam o uso de CDB para tratar a dor crônica.

Como o CDB ajuda na manutenção da dor

#1: CDB atua no sistema endocanabinoide que regula os processos corporais. Ajuda no crescimento celular, ao parar a multiplicação das células.


#2: CDB pode auxiliar ao impedir que as células endometrióticas migrem ou se movam pelo corpo.


#3: Sabe-se que as células endometrióticas precisam de vascularização. O CDB pode inibir esse processo.


#4: CDB pode regular o crescimento dos nervos, e evitar que a endometriose cause lesões mais profundas.


#5: Ativar os receptores endocanabinóides pode induzir a produção de propriedades anti-inflamatórias

Avanços da ciência


Cada vez mais estudos mostram a ligação entre a diminuição do uso de opióides e o uso da terapia canábica.


Ainda é muito cedo para afirmar que a cannabis medicinal pode ser a solução para diminuir o uso de opióides, e evitar casos de overdose.


Mas essa alternativa está se tornando cada vez mais presente, palpável e revela a eficácia da terapia canabinoide em diversas doenças, inclusive na endometriose.

A farmácia moderna e a pesquisa biomédica precisam ser criativas buscando novos parâmetros para que a cannabis medicinal seja usada de forma efetiva e segura para o paciente no manejo da dor.


Artigo escrito por Lavínia Romera


Fonte:


Sinclair J, Collett L, Abbott J, Pate DW, Sarris J, Armour M. Effects of cannabis ingestion on endometriosis-associated pelvic pain and related symptoms. PLoS One. 2021 Oct 26;16(10):e0258940. doi: 10.1371/journal.pone.0258940. PMID: 34699540; PMCID: PMC8547625.
Maharajan MK, Yong YJ, Yip HY, Woon SS, Yeap KM, Yap KY, Yip SC, Yap KX. Medical cannabis for chronic pain: can it make a difference in pain management? J Anesth. 2020 Feb;34(1):95-103. doi: 10.1007/s00540-019-02680-y. Epub 2019 Sep 18. PMID: 31535218.
Romero-Sandoval EA, Fincham JE, Kolano AL, Sharpe BN, Alvarado-Vázquez AA. Cannabis for chronic pain: challenges and considerations. Reviews of Therapeutics. 2018 April. doi: 10.1002/phar.2115.
cannacares.co.uk/blogsechat.com.brImagem: unsplash por Kimzy-Nanney