A Infertilidade na Endometriose


O problema pode se agravar quando a mulher infértil deseja ter filhos

 

A relação entre endometriose e infertilidade ainda não é totalmente esclarecida. Embora a doença não impede necessariamente, a gravidez, ela reduz as chances de a concepção acontecer naturalmente. Vale destacar que a gravidade dos sintomas aumenta conforme o avanço da idade, sendo que o pico de incidência geralmente ocorre por volta dos 40 anos.

 

Bastante comum, ela atinge cerca de 15% das mulheres em idade reprodutiva e pode ser debilitante. Entre seus sintomas mais frequentes, destacam-se fortes dores pélvicas, fluxos menstruais intensos e infertilidade — embora 20 a 25% dos casos sejam assintomáticos.

 

No entanto, isso não significa que todas as mulheres que têm a doença são inférteis, há a possibilidade de se ter endometriose e ainda assim conseguir engravidar (por meios naturais ou inseminação).

 

Quando a condição prejudica a fertilidade, geralmente é porque ocorreu uma liberação excessiva de hormônios, consequentemente, prejudicando a ovulação e dificultando (ou impossibilitando) a gestação. Além disso, o nível de comprometimento do sistema reprodutor pela endometriose e a idade da mulher são pontos que favorecem a infertilidade pela doença.

 

Para a mulher com endometriose, alguns fatores elevam, ainda mais, o risco de ter infertilidade. Um deles é a distorção da anatomia pélvica (o chamado fator pélvico), pois as aderências pélvicas e/ou tubárias prejudicam a liberação dos óvulos. Existem, também, os distúrbios endócrinos e ovulatórios, os quais prejudicam a receptividade endometrial e a implantação embrionária.

 

Estima-se que 30 a 50% das mulheres com endometriose sejam inférteis. A dificuldade para engravidar, geralmente, decorre de alterações nos órgãos reprodutivos (útero, ovários e trompas). Essas levam a bloqueios que dificultam a chegada dos espermatozoides ao óvulo ou impedem a implantação do embrião no útero.

 

A escolha da estratégia de tratamento mais adequada depende de fatores como:

 

-Duração estimada da infertilidade;

-Idade da mulher;

-Condição de reserva ovariana;

-Histórico familiar e presença de outros fatores ligados à infertilidade.

 

Além desses aspectos, deve-se considerar o tipo e estágio da endometriose, a qual pode ser:

 

-Peritoneal superficial, quando ocorre na película que reveste a cavidade abdominal;

-Endometriomas (quando forma cistos nos ovários — os quais justificam a relação entre endometriose e infertilidade);

-Infiltração profunda, quando cresce em órgãos adjacentes ao útero, como ovários, bexiga, intestino, reto, vagina, entre outros, considerado grau mais grave.

 

Mulheres com endometriose e infertilidade não devem utilizar hormônios para o tratamento, pois isto atrasa o início dos tratamentos de fertilização.

 

O tratamento hormonal determina o controle dos sintomas e não a resolução da endometriose.

 

Pode ser observada redução das dimensões em algumas lesões, especialmente na endometriose, mas quando os medicamentos são retirados os sintomas retornam.

 

Atividades físicas, yoga, ginástica, mudança nos hábitos alimentares por exemplo, podem ser grandes aliados nesses casos, lembrando que podem resultar grandes resultados nos tratamentos de fertilidade.

 

 

Infertility in Endometriosis

The problem can get worse when the infertile woman wants to have children.

 

The relationship between endometriosis and infertility is not yet fully understood. Although the disease does not necessarily prevent pregnancy, it does reduce the chances of conception occurring naturally. It is worth noting that the severity of symptoms increases with advancing age, and the peak incidence usually occurs around 40 years of age.

 

Quite common, it affects about 15% of women of reproductive age and can be debilitating. Among its most frequent symptoms are severe pelvic pain, heavy menstrual flows and infertility — although 20 to 25% of cases are asymptomatic.

 

However, this does not mean that all women who have the disease are infertile, there is the possibility of having endometriosis and still being able to get pregnant (by natural means or insemination).

 

When the condition impairs fertility, it is usually because an excessive release of hormones has occurred, consequently impairing ovulation and making pregnancy difficult (or impossible). In addition, the level of involvement of the reproductive system by endometriosis and the woman's age are points that favor infertility due to the disease.

 

For women with endometriosis, some factors further increase the risk of infertility. One is the distortion of the pelvic anatomy (the so-called pelvic factor), as pelvic and/or tubal adhesions impair the release of eggs. There are also endocrine and ovulatory disorders, which impair endometrial receptivity and embryonic implantation.

 

It is estimated that 30 to 50% of women with endometriosis are infertile. The difficulty to get pregnant is usually due to changes in Organs reproductive organs (uterus, ovaries and tubes). These lead to blockages that make it difficult for sperm to reach the egg or prevent the implantation of the embryo in the uterus.

 

Choosing the most appropriate treatment strategy depends on factors such as:

 

-Estimated duration of infertility; woman's age;

-Ovarian reserve condition;

-Family history and presence of other factors linked to infertility.

 

In addition to these aspects, one should consider the type and stage of endometriosis, which can be:

 

-Superficial peritoneal, when it occurs in the film that lines the abdominal cavity;

-Endometriomas (when it forms cysts in the ovaries - which justify the relationship between endometriosis and infertility);

-Deep infiltration, when it grows in organs adjacent to the uterus, such as ovaries, bladder, intestine, rectum, vagina, among others, is considered a more serious degree.

 

Women with endometriosis and infertility should not use hormones for treatment, as this delays the start of fertilization treatments.

 

Hormonal treatment determines the control of symptoms and not the resolution of endometriosis.

 

Reduction of dimensions can be observed in some lesions, especially in endometriosis, but when the drugs are withdrawn, the symptoms return.Physical activities,yoga,gymnastics,changing eating habits, for example, can be great allies in these cases, remembering that they can result in great results in fertility treatments.

 


Matéria escrita por Ana Caroline Viana



Fontes:

endofound . org /