23 de Setembro: Dia Mundial de Combate ao Estresse

Segundo, o dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, Michaelis a palavra estresse significa estado físico e psicológico provocado por agressões que excitam e perturbam emocionalmente o indivíduo. Dentre os sintomas psicológicos mais comuns são o mau humor, irritação, dispersão, e medo. Agora, relacionados a fatores físicos são dores de cabeça, insônia, alergias e até mesmo queda capilar. A busca por ajuda de um profissional é importante. Principalmente, quando o estresse influencia na alimentação provocando a falta de apetite ou a ingestão errada de alimentos. Em entrevista com a nutricionista Camila Fontes da Clínica Integrada dá dicas de alimentos fundamentais que ajudam a melhorar esta reação:

Quais alimentos que contribuem para a melhora do funcionamento do organismo?

O estresse causado por inúmeros motivos pode ser amenizado com alimentos ricos em propriedades que ajudam a controlar a ansiedade e aumentam a sensação de bem-estar, como a vitamina B, o triptofano e o ômega 3, além de chás calmantes. Esses nutrientes são capazes de interferir no sistema nervoso auxiliando na melhora do humor e ansiedade, portanto consumir regularmente estes alimentos ajudam a proteger o corpo dos danos causados pelo estresse como a dor de cabeça, queda de cabelo, excesso de peso, envelhecimento precoce e também ajudam a controlar os níveis de cortisol (hormônio responsável pelo estresse).

Vitamina B: participam da produção de energia no organismo e ajudam a melhorar o funcionamento do sistema nervoso, auxiliando a relaxar - abacate, castanhas, nozes e aveia.

Triptofano: ajudam a combater o estresse porque aumentam a produção de serotonina, hormônio produzido no cérebro que dá uma sensação de bem-estar e ajuda a relaxar - banana, chocolate amargo, cacau, aveia, queijo, amendoim, frango e ovo

Frutas e legumes: são ricos em vitaminas, minerais e flavonoides, substâncias com alto poder antioxidante que contribuem para reduzir a pressão arterial, ajudando a relaxar e combater o estresse. Os principais alimentos desse grupo que ajudam a evitar o estresse são maracujá, kiwi, cereja e vegetais verdes escuros, como couve, espinafre e brócolis.

Ômega 3: gordura boa que ajuda a reduzir a inflamação no organismo e controlar os níveis de cortisol. Além disso, participa da formação de neurônios e é importante para a transmissão de impulsos nervosos, ajudando a melhorar a memória e prevenir doenças como Alzheimer, Parkinson e problemas cardiovasculares. Pode ser encontrado no atum, salmão, sardinha, sementes de linhaça e de chia, nozes e gema de ovo.

Chás calmantes as boas opções são:

  • Chá de maracujá (Passiflora incanata) é feito a partir da folha de maracujá e não do fruto, tem ação calmante, o consumo em excesso pode causar sonolência.

  • Chá de camomila (Matricaria recutita/chamomilla) tem ação sedativa leve, ajuda a controlar a ansiedade e combater a insônia. Também é bom para ansiedade na gravidez.

  • Chá de Melissa (Melissa officinalis) também conhecida como erva-cidreira, possui propriedades tranquilizantes, combate quadros de ansiedade.

  • Chá de Mulungu ((Erythrina mulungu) pode ajudar a combater quadros leves de ansiedade, atuando como um suave calmante. Também melhora a qualidade do sono e combate a insônia. É feito a partir da casca da planta (utilizar o método de decocção).

Quais alimentos comuns que as pessoas consomem que impactam no aumento desta reação?

Alguns alimentos merecem cautela, pois podem potencializar o efeito de estresse. A cafeína presente no café e em alguns chás como o mate, preto e verde estimula o sistema nervoso e contribui para a sensação de estresse. O excesso de açúcar refinado e outros carboidratos pães, massas, biscoitos recheados) têm efeito parecido: quando consumidos em grande quantidade, são rapidamente absorvidos pelo organismo e transformados em energia, o que pode dar uma sensação boa no início, mas que posteriormente irá se transformar em sonolência e desânimo.


Artigo escrito por Indira Rodrigues para a AMO Acalentar.